Login Usuário Não Logado
Web Content Viewer
Web Content Viewer
Web Content Viewer

Notícias

28/06/2019

Voluntários do Poupatempo tricotam para a Campanha do Agasalho

 


Voluntárias da oficina de tricô no Poupatempo Penápolis

 

Para ajudar a Campanha do Agasalho, os funcionários do Poupatempo estão organizando oficinas de tricô em algumas unidades como Penápolis, Sertãozinho e São José dos Campos.

A produção artesanal, nos intervalos do almoço ou antes e depois do expediente, ajuda a sensibilizar um número maior de doadores entre os funcionários e familiares. O 'tricô solidário' traz mais alegria, descontração e emoção à campanha organizada todos os anos pelo Fundo Social de São Paulo.

Além disso, a atividade também serve para desenvolver a concentração e ajuda a desestressar, explicam os voluntários tricoteiros. "É um hobby que tem muito a ver com o trabalho no Poupatempo, pois exige muita concentração, paciência e dedicação", comenta Marilza de Figueiredo Trevizoli, que aprendeu a fazer crochê com seis anos de idade e desde 2005 organiza oficinas com os colegas do Poupatempo São José dos Campos, onde trabalha há 18 anos.

Apenas uma pequena parte do total de 500 mil agasalhos recolhidos pelo Poupatempo na campanha do ano passado eram resultado das oficinas de tricô, mas os funcionários que participam contam que é muito gratificante poder doar uma peça feita com as próprias mãos. "É mais que uma doação, pois são peças produzidas com muito carinho e amor", explica Marilza .

Este ano a oficina de São José dos Campos começa na segunda-feira, dia 1 de julho, mas em Penápolis nove funcionários já se revezam em oficinas há uma semana, produzindo cachecóis e sapatinhos de bebê com 30 quilos de lã comprados com dinheiro doado por voluntários da campanha.

Quem ensinou a arte de tricotar para os colegas foi o funcionário Everton Caetano, de 28 anos, que aprendeu o ofício com a mãe, Severina, de 53 anos, pernambucana de Vitória de Santo antão que migrou para Penápolis quando criança, quando a família veio trabalhar nas colheitas de café na região.

Everton com as colegas da oficina de tricô do Poupatempo Penápolis

"Minha mãe sempre tricotou para a família, e de tanto ver eu aprendi com ela", conta Everton. "Fazia tempo que não tricotava, mas quando a campanha do agasalho começou eu resolvi me oferecer para ensinar aos colegas". Além dele, também estão tricotando os funcionários Bianca, Jeane, Laura, Liliane, Mayara, Nathalia, Nayara e Simone.

Em Sertãozinho, a oficina tem 37 voluntários de um total de 43 funcionários. E a maioria nunca tinha tricotado na vida, mas decidiram aprender para ajudar na campanha do agasalho. Eles pediram aulas de tricô para a funcionária Marília Alves Rezende e também pesquisaram dezenas de vídeos tutoriais na internet. Quem se destacou foi o funcionário Bruno Otávio Picaço, de 23 anos, que já está até dando até aulas para os colegas.

"Resolvi aprender, pensando no valor do tricô como ferramenta para desenvolver a concentração e o foco no trabalho e também como atividade que acalma e desestressa", explica o atendente que trabalha há um ano e meio no Poupatempo Sertãozinho e a noite cursa o 5º ano de Direito na Unip.

Bruno, à esquerda, com os colegas  Tiago, Samara, Guilherme e a coordenadora Ana Cláudia Solano

Além das peças que estão sendo tricotadas, os 73 postos Poupatempo no Estado já arrecadaram mais de 170 mil peças de roupas, cobertores e agasalhos doados por funcionários e cidadãos que buscam as centrais de atendimento. A campanha este ano vai até setembro.

Marilza, pioneira das oficinas de tricô em São José dos Campos

 

Ver mais notícias

Voltar